A nossa história: Me envolvendo demais - Parte 3

Entrei e ele imediatamente levantou e veio na minha direção com aquele sorriso que tanto me encantava:

- E ai? Surpresa? Desculpa a gente vai!

Eu não conseguia respirar, meu coração estava a ponto de parar. Como eu poderia dizer que não desculparia diante de um sorriso e um pedido de desculpas desse? Afinal, ele veio até aqui pra me ver, realmente tinha alguma coisa entre nós. Claro que muito mais pra mim que pra ele, "mas ele veio, isso que importa!".

- Ahh vocês armaram pra mim né? (Um abraço, um beijo meio sem jeito, ahhh aquele perfume!)
- Ele: Vamos buscar alguma coisa pra comer ou vamos comer em algum lugar?
- Nath: Vamos no Mc donald's?
- Vamos! 

Naquela altura já tínhamos assumido que estávamos juntos. Eu sempre era a motorista oficial então ficava difícil de passar um tempo com ele ("mas ele está aqui", isso era o que importava). Passávamos bastante tempo em grupo, estávamos todos juntos, comendo, jogando conversa fora, e eu continuava com aquela cara de tonta. Tão lindo, tão doce, sorriso fácil, me fazia rir, me deu atenção e saímos de mãos dadas. É, estou mesmo apaixonada por ele! 
Mais ou menos 23:00, voltamos pra casa da Nath:

- Vocês vão dormir aqui né gente? Tem alguns filmes ainda daquele dia, vamos assistir?
- Você vai ficar né?
Fiquei completamente travada, ele tinha o dom de me fazer desmanchar em poucos segundos. Eu mal conseguia raciocinar perto dele.
- Vou, mas preciso avisar minha mãe. 

1 , 2, 3 filmes e a noite foi passando. Todo mundo percebeu um climão entre a gente e ficaram tirando sarro e eu naquela altura nem conseguia mais disfarçar a minha paixonite aguda por ele. 
A sala foi ficando silenciosa de novo, ("ahhh mais uma chance de passar um tempo com ele, o ouvir falar, sorrir e ME fazer sorrir"), dessa vez senti que ele realmente resolveu se envolver, chegou mais perto, me beijava o tempo todo e eu não tinha nem tempo pra pensar, pra respirar, pra me mover. Por um segundo eu não enxergava mais ninguém naquela sala mesmo estando rodeada de todos os nossos amigos. 

- "Acho melhor a gente parar por aqui"
- "Desculpa, eu não resisti" (E quem disse que eu conseguia também?)
- É eu sei, mas olha envolta, não estamos sozinhos.
- Uma pena rs!

Comecei a pensar um milhão de coisas: Será que ele está mesmo afim de mim? Será que toda essa paixão repentina não está me fazendo enlouquecer? Naquela altura do campeonato eu já estava completamente envolvida, já tinha mergulhado de cabeça, entrei em um caminho sem volta e se não desse certo eu ia me machucar e muito.
Os dias foram passando e eu sempre me dedicando nessa relação que se quer tinha começado. Ligava, mandava mensagem, e-mail e perdi as contas de quanto dinheiro eu gastei com gasolina, eu atravessava o e deserto do Atacama por ele. Ele nunca foi o um príncipe encantado, nunca foi de ligar, de fazer surpresas ou dizer "To amando ficar com você", mesmo assim ele me encantava e eu sim A-MA-VA ficar com ele, ter ele por perto e o tempo todo e era EU quem fazia nossos encontros acontecerem ou o telefone tocar.



Já fazia 1 mês mais ou menos que estávamos nessa enrolação e combinamos de ir no Hopi Hari. Sair em grupo era sempre uma oportunidade legal pra se divertir e claro, passar mais tempo com ele. A EPTV estava com uma promoção que homem acompanhado não pagava, então o parque ficou simplesmente insuportável de tão cheio. Nós estávamos em muitos, e dessa vez uma pessoa a mais estava com a gente, uma amiga deles de anos e muito amiga DELE. Eles tinham uma relação estranha, se abraçavam o tempo todo, brincavam o tempo todo e é claro que isso me incomodava e muito. "Porque com ela ele fica assim e comigo não?" . Me lembro de uma situação que me magoou demais e quase acabou com aquele dia. Como estávamos em um grupo muito grande, nos separamos em dois pra encurtarmos o tempo nas filas que estavam enormes. Em uma dessas vezes, nossa fila andou mais rápido e voltamos para o brinquedo em que o outro grupo estava, chegando lá ELE e ELA estavam juntos, literalmente juntos, abraçados e fazendo carinho um no outro. Eu EN-LOU-QUE-CI, quis sair correndo, quis chorar, quis esquecer. Eu não conseguia entender aquela amizade, como ele podia estar assim com alguém na minha frente? Chorei! Fui pro banheiro com a Nath e chorei muito.

- Meu, como ele pode fazer isso?
- Amiga, calma, eles são só amigos. Eles sempre foram assim, não rola nada entre eles!
- NÃO IMPORTAAA!!! (Eu estava furiosa)
- Eu sei, mas tenta relaxar e finja que nada aconteceu ta? deixa ele perceber que você não gostou, mas não surta, não coloque tudo a perder. Homem é fogo amiga, relaxa!

Sai do banheiro com uma cara de "nem ligo"e eles não estavam mais juntos. Ele me olhou e na hora percebeu: "Ela não gostou". Eu não disse nada, ele me trouxe pra perto dele e eu continuei como se nada tivesse acontecido. Ele não era meu namorado, eu não ia dar uma crise de ciúme por isso, não agora. O dia passou, nos divertimos e já estávamos combinando outro passeio em grupo: Uma micareta,  Show da Claudia Leitte na RED eventos em Jaguariúna, uma semana depois. 
Todo mundo concordou em ir, (menos a amiga dele, ainda bem rs). Tudo combinado, e mais uma semana se passou. Na sexta feira ele me ligou:  

- Oi, e ai tudo bem?
- Ooi, tudo e ai?
- Tudo também. Viu, você ja comprou o convite da micareta amanhã?
- Eu já, porque? (Eu já tinha comprado convite, escolhido o que ia vestir e estava mega ansiosa pra vê-lo de novo).
- Ahh então, eu não vou mais!
- Não? Porque? (Como assim ele não ia mais?)
- Então não to muito afim.
- Ahh sim. Bom eu já comprei não sei o que fazer com o convite (Se ele não ia, eu não ia também né?)
- Não, não precisa desistir de ir, pode ir, tranquilo!
- Vou ligar pra Nath e ver se ela vai mesmo, se ela for eu vou também então. (Ele não estava fazendo questão nenhuma que eu não fosse, e em nenhum momento me pediu pra não ir)
- Ta bom, a gente se fala depois então. Beijo
- Ta bom, beijo!

Desliguei o telefone, fiquei super chateada. Como assim ele não está afim de ir? Ele não está afim de ir em uma festa comigo? porque? E pior: não vê problema nenhum eu EU IR. Tem alguma coisa errada e só eu não estou enxergando, não é possível.

- Alô?
- Nath? (chorando...)
- Amiga que foi? Você está chorando? Que houve?
- Ele não vai mais amanhã!
- Não? Porque não? O que ele te disse?
- Que não está afim de ir.
- Ah amiga, então paciência. Mas você vai né? Da um gelo nele. Se ele não te pediu pra não ir, ele não faz questão que você NÃO vá, então você vai e vai mostrar pra ele que não se importa também. Não liga pra ele chorando hein? Pelo amor de Deus!
- Meu, que babaca que ele é! Ele que agitou todo mundo e agora simplesmente desiste de ir e pior, não está afim de sair comigo.
- É amiga, eu te falei desde o começo não falei?  (Ela sempre me dizia isso.)
- Eu sou uma idiota mesmo. Quer saber? Eu vou sim. Amanhã passo ai a tarde pra gente se arrumar tá?
- Isso aí. Ok, te espero amanhã. Fica bem e qualquer coisa me liga aqui. Beijo
- Ta bom. Beijo.

Eu estava decidida, chega de chorar por causa dele, não ia mais ficar chateada pelas inúmeras mancadas que ele dava. No dia seguinte, fui pra casa da Nath umas 11:00 horas da manhã e lá fomos nós. Não demorou muito e meu telefone começa a tocar... "Nath atende pra mim"!

- Alô?
- Oi, é o Lucas.
- Oi Zé, é a Nath.
- Oi Nath, "cadê" ela?
- Está aqui, está dirigindo, o que foi?
- Posso falar com ela?
- Ela está dirigindo, você não ouviu o que eu falei? (Ela estava chateada com ele por mim e não queria que eu falasse com ele pra não desistir de ir na festa).
- Então fala pra ela passar aqui em casa antes de vocês irem.
- Vou falar com ela e depois a gente te liga. Tchau.

Eu estava louca pra saber porque ele tinha ligado, será que tinha desistido de não ir? será que queria que eu fosse busca-lo? 

- O que ele te disse Nath?
- O folgado quer que você passe na casa dele antes de ir!
- Sério?
- Sério. você não está pensando em ir não né?
- Ahh Nath, pode ser alguma coisa importante, "vamo"comigo vai?
- Ahhhh meu Deus do céu!!! Como você é idiota amiga! Ele fala e você corre atrás. 
- Por favor? (bastava ele me ligar e eu já perdia toda aquela coragem de: Vou dar um gelo nele!).
- Tá. Vamos então. Mas vai ser rápido e você não vai ficar com essa cara de besta perto dele hein? E se ele pedir pra você não ir, VOCÊ VAI FALAR QUE NÃO E VAI DE QUALQUER JEITO, NEM QUE EU TENHA QUE TE ARRASTAR.
- Ok, pode deixar. 

Dei meia volta, e fomos lá pra casa dele. Meu coração estava disparado, eu não parava de pensar que ele estaria esperando la embaixo com aquela cara de cachorro arrependido. Eu não resistia aquele sorriso.
O dia estava nublado e ele estava esperando lá embaixo. Parei o carro, e a Nath ficou lá me esperando.

- Oi
- Oi (me deu um beijo e um abraço)
- Que foi? Porque você pediu pra eu passar aqui?
- Nada, queria te ver. (Como eu ia seguir em frente com o plano de "da um gelo nele"desse jeito?)
- Ahh então tá. Estou aqui. Porque você não vai com a gente? Vai ser legal.
- É eu sei, mas não to muito legal hoje (Ele sabia exatamente como me fazer sentir culpada, e fazia isso de propósito!).
- Ahh que pena. (Minha vontade era dizer: Por favor, não vai ter graça sem você). Bom então ta bom. (Nath berrando: "Vamos looooogo amiga, tem chão até la e já são quase 3:00 horas!  Oi zé") 
- Vai lá. Divirtam-se. 
- Pode deixar. Eu te ligo depois tá?
- Ta bom. (Mais um beijo e abraço apertado, aquele cheiro dele quase me fez desistir de ir.) 

Me arrastei de volta pro carro. Eu não queria ir. Chegamos na RED por volta de 3:45 da tarde. Encontramos o resto do pessoal que tinha combinado de ir e mais um amigo que eu não conhecia. (esse cara foi minha pedra no sapato a festa inteira).
Eu não conseguia me divertir, não conseguia me concentrar em nada. Eu não queria estar ali. Chorei a festa toda praticamente e o pior de tudo: tive que aguentar "o amigo novo" me atormentar a festa inteira. 

- Oi tudo bem? Você é amiga da Nath né?
- Oi. Sou sim.
- Legal. Você curte Micareta?
- Ah Mais ou menos (Eu não queria conversar).
- Legal, legal. E ai, o que você faz da vida?
- Biomedicina. 
- Você estuda com a Nath né?
- Sim (Ele não ia sair dali tão fácil)
- Legal. (esse legal dele me irritava mais ainda).
- Você tem namorado? 
- Não, quer dizer, mais ou menos. (Eu não tinha namorado, mas o Lucas era só o que me importava e eu não ia dar bola pra aquele garoto. Nem pra ele e nem pra ninguém.)
- Como assim mais ou menos?
- Ah, é complicado. To de rolo com um cara aí.

A Nath percebeu que eu não estava nem um pouco afim de conversar e resolveu intervir:

- Ela tá gamada no zé! (pelo jeito que ela falou, eles se conheciam)
- Ahhhhhh, você ta ficando com o Zé? (é, ele o conhecia mesmo)
- Sim, estou sim.
- "Viiixe, BOA SORTE!
Fiquei sem entender aquele boa sorte, mas preferi ignorar e continuei fingindo que estava curtindo a festa e as horas foram passando. A micareta acabou, já era mais de 23:00 horas e eu só queria ir embora, ligar pra ele e dizer o quanto ele fez falta. No caminho tentei ligar várias vezes e ele não atendeu nenhuma vez. Quando cheguei em casa, ele tinha me mandado uma mensagem: "Nos falamos amanhã, boa noite!"

Continua...

 Não leu o começo dessa história? Então clica aqui: 

>> PARTE 1
> > PARTE 2

A nossa história: Uma possível encrenca - Parte 2

Enquanto a gente tomava café, quase não conversávamos um com o outro. Estávamos rodeados dos nossos amigos, conversando sobre tudo que eles estavam falando. Eu não parava de olhar pra ele, e estava morta de cansaço. Quase não dormimos nada e eu menos ainda.
"Precisamos ir embora Zé (os amigos o chamam assim), já são 10:30, tem jogo hoje."
"Verdade, será que vocês poderiam levar a gente até a rodoviária?"
É claro que eu levaria ele. Aquele beijo, as conversas noite a dentro e aquele sorriso ecoavam na minha cabeça e eu pensava o tempo todo como seria depois daquilo, se a gente ia continuar depois daquele beijo, se ele ia me ligar, eu precisava vê-lo de novo.
 "Esse é meu telefone, me passa o seu, vou te ligar amanha." 
Entreguei meu numero pra ele, deixamos os 3 na rodoviária e fui pra casa, eu não conseguia pensar em outra coisa e não desgrudava do celular, ele ia me ligar. No dia seguinte, eu só sabia falar dele o tempo todo, minha amiga estava louca de tanto me ouvir falar dele:
"Amiga, eu sei que você gostou dele, mas tome cuidado, ele nunca namorou ninguém, está acostumado a beijar todas e ficar com todas por ai, cuidado! Eu não quero que você sofra por ele."
E quem disse que eu ouvia? eu nem conseguia absorver aquilo como um conselho, eu só pensava que tinha que estar com ele de novo. Eu estudava a tarde e não conseguia prestar atenção em nenhuma aula, ficava perambulando pela faculdade esperando aquele maldito telefone tocar. Segunda, terça, quarta, quinta, e NENHUMA ligação, eu ficava com o celular nas mãos o tempo todo, não conseguia raciocinar, pensava nele o tempo todo e me perguntava: "Porque ele não ligou?".  A Nath já tinha avisado, ela me disse pra ter cuidado, pra ir com calma, mas eu e a minha mania de me apegar e me apaixonar fácil estavam me levando de novo pra mais um fracasso amoroso. Mesmo assim, não aguentei e liguei pra ele: 
"Alô?"
"Oi"
"Oooi, tudo bem? Eu ia te ligar!"
"Ahhh legal, então, to te ligando pra saber se você está bem."
"To sim e você?"
"To bem também"(eu estaria se você tivesse me ligado a semana inteira, pensei).
"Então, o que você vai fazer amanhã? vamos nos ver? Vou combinar com o pessoal, estamos querendo ir na anzu (Balada em Itu), vamos?"
"Ah legal, vou falar com a Nath e te aviso ta?"
"Ok, então, nos falamos depois, beijo."
"Beijo!"
Nossas conversas não costumavam ser muito longas, ele não passava muito tempo contando sobre o dia dele e nem perguntava muito sobre o meu. Eu sempre fui muito romântica, sempre achei que se os filmes falam em amor verdadeiro, deve ser por que ele existe em algum lugar desse mundo e eu esperava ansiosamente a minha hora chegar. Sempre apostava todas as minha fichas em todos os relacionamentos que eu tinha e sempre davam errado, eu me entregava demais, me dedicava demais, e claro, dava com a cara na parede. Dessa vez eu jurei que tinha que ser diferente, eu nunca tinha sentido nada igual por ninguém, nunca me apaixonei instantaneamente por alguém assim, eu precisava tomar cuidado, eu não conhecia ele e tudo que eu sabia era que ele nunca namorou, não era o tipo de cara dos filmes de comédia romântica e que talvez eu estivesse me metendo em mais um encrenca.

Chegou o dia, tudo combinado, iríamos pra balada, eu, ele, a Nath, a Jéssica (amiga deles), o Brow e o caio (amigos dele). Naquela sexta feira me dediquei a arrumar cabelo, unha, comprei um vestido novo e mal conseguia comer ou dormir de tão ansiosa. Ia encontrar ele de novo, e como seria? Será que ele ia me beijar de novo? Como eu deveria dizer oi? só um simples "Oi" mesmo? será que íamos andar de mãos dadas? Será que dançaríamos a noite toda juntos? Que ansiedade é essa que me consome? O que está acontecendo comigo?. Pra variar, eu fazia tudo e mais um pouco pra encontrar com ele, então as 21:00 fomos pra campinas buscar todo mundo e ele de novo me deixou um tempão esperando la embaixo, estava chovendo muito e nós ficamos no carro fofocando com ele ligado, resultado: a bateria arriou. 
"Eu: Meu, o carro não pega. E agora?"
"Jéssica: hahahahahaha como nós vamos sair?"
"Nath: Vou ligar pra ele descer aqui com os meninos e fazer pegar, não vamos perder a balada por causa disso"
Desceram ele, dois amigos e o pai dele. Estava uma super chuva, ele de camiseta branca, cabelo molhado e lindo como da outra vez. Eles mexeram aqui e ali e de tanto empurrar o carro pegou de novo e lá fomos nós pra Itu rumo á uma noite que eu preferi esquecer por muitos dias. Chegamos lá e eu me lembro de estar na frente dele um degrau a mais que ele na escada e ele pegou na minha mão. Gelei, comecei a acreditar que aquilo estava mesmo acontecendo, ele estava mesmo querendo ficar perto de mim, aquilo me fez apaixonar ainda mais. Depois de uns 40 minutos de fila, conseguimos entrar, e ai? Ele SU-MIU com os amigos dele. Sim, ele sumiu. Me deu aquele perdido e foi curtir a noite com os amigos dele e eu com as meninas. Eu mal conseguia acreditar que aquilo estava acontecendo, ele não podia estar fazendo aquilo comigo, fiquei arrasada. Me fiz de desentendida e fui sentar em uma mesa do bar. Ele se aproximou:
"Ta tudo bem? Porque você está aí sozinha?"
"(porque você me deixou aqui imbecil, pensei), Ah, as meninas estão andando por ai, meu sapato está me machucando, to cansada, só isso". 
"Ahh tá, ta tudo bem mesmo né?"
"Está sim." (claro que não estava, mas era a 2º vez que nos víamos, eu não podia dar uma de louca naquela altura do campeonato né?)
A noite foi passando, decidimos ir embora, íamos dormir na casa da Nath de novo. Eu e ela brigamos no caminho. E nós brigamos porque eu ainda tentava achar motivos pra "perdoar"ele pela mancada e ela não entendia o porque de eu ficar me fazendo de tonta, quando estava evidente que ele não queria nada comigo. Enfim, discutimos e eu irritada nem dormi lá, fui pra casa e não falei com ele. Ele me ligou mais tarde:
"Oi, você está bem? já fez as pazes com ela?"
"Oi, estou, acabei de acordar, ela já me ligou, está tudo bem, você conhece a Nath né? (mas eu ainda estava chateada com ela, mas ia passar)"
"É, ela se irrita mesmo por tudo, é doida rs."
"rsrs, é, mas está tudo bem."
"Que bom! Vamos nos ver hoje? (como assim ele me chamando pra sair?)"
Eu estava confusa se deveria vê-lo de novo naquele dia afinal, ele tinha me deixado a noite toda falando sozinha.
"Então, eu não sei bem se rola hoje mas qualquer coisa eu te ligo ta?"
"Então ta bom, me liga se quiser fazer alguma coisa ta? Ir no cinema, comer, sei lá."
"Ta bom. Beijo"
"Beijo".
Passei aquele dia muito mal, tinha passado uma noite péssima por causa de um cara que eu tinha acabado de conhecer e estava completamente apaixonada por ele e estava brigada com a minha amiga. Realmente aquele não foi o final de semana que eu tinha planejado mas ok, eu só queria esquecer tudo aquilo.
O telefone toca:
"Oi moma (A nath me chama assim.), tudo bem? Ainda está chateada comigo?"
"Oi Nath, eu estou bem. Não, é claro que não estou chateada com você. To triste e precisando de você."
"O que foi?"
"Ah, depois do que ele aprontou comigo ontem, acho que você tem razão, ele não vale a pena mesmo."
"Ah Moma, o zé é bem infantil, ele nunca namorou, mas da um desconto pra ele vai, ele vai aprender com o tempo."
Estanhei ela estar "defendendo"ele depois de ter brigado comigo por eu querer entender as mancadas dele.
"Ah sei lá, acho que vou esquecer ele e seguir em frente. Melhor assim, ainda bem que não tivemos nada de mais um com o outro."
"Então, eu te liguei pra saber se você quer vir aqui em casa hoje, vou pedir pizza. Vem pra cá, vamos jogar conversa fora, assim você desabafa e chora o que tiver que chorar vai! Você vem?"
"Tudo bem, eu vou. Vou avisar minha mãe e vou. Umas 8 horas eu vou pode ser?"
"Pode, vou esperar então."
"Ok, até mais tarde."
Tomei banho, lavei a cara inchada de choro, arrumei meu quarto, fiz uns trabalhos da faculdade e lá fui eu pra casa dela. Quando entrei no condomínio, estacionei o carro na porta e fui la chamar na campainha. Ela veio e abriu a porta, eu entrei e quando olhei pro sofá da sala quase caí pra trás. "Ele está aqui!!". Fiquei sem graça, surpresa, meu coração acelerou e eu fiquei confusa:
"Nath, o que ele tá fazendo aqui?"
"ELE é o meu pedido de desculpas por ontem."
Eu não tive reação, fiquei tão feliz de ver ele de novo por perto. Ela tinha ligado pra ele durante o dia e pedido pra ele ir pra lá me fazer uma surpresa, ela sabia que a presença dele ia me animar. Foi meio que um pedido de desculpas dela pela briga e dele pela mancada. 

Continua....

Não leu a 1º parte? Então clica aqui >>> PARTE 1
Quer saber mais dessa história? Então clica aqui >> PARTE 3

A nossa história: Amor a primeira vista - Parte 1

Tudo começou numa noite quente, no dia 28 de fevereiro de 2008. Fomos apresentados por uma amiga em comum e a partir dali viveríamos a historia mais linda das nossas vidas. Fui dormir na casa de uma amiga, que também era amiga dele. Na época o MSN ainda estava super na moda, e ela falando com ele por lá, colocou uma foto minha com a seguinte legenda: "Moma aqui em casa ;P" e Ele I-ME-DI-A-TA-MEN-TE veio perguntar de mim pra ela: 
"Quem é essa Nathália?" "É sua amiga?" "Tem namorado?" 
E eu sem entender nada, disse pra ela que queria vê-lo. Ela me mostrou uma foto e eu logo:
"Ahh ele é feio rs". 
Conversa vai, conversa vem, um amigo deles iria dar uma festa em um bar como despedida pois ia se mudar e nós fomos convidadas. Achei a ideia um máximo, afinal estava começando a faculdade na época (fiz 1 semestre de Biomedicina em uma faculdade particular, assunto pra outro post), e estava super afim de fazer novos amigos, passear em outros lugares. Eu namorei dos meus 13 aos 17 anos com a mesma pessoa, meu universo até ali tinha sido bem restrito então queria começar a viver de verdade. Bom, combinamos que iríamos nessa festa no dia seguinte (dia 28 de fevereiro de 2008). Pois bem, umas 7:00 horas busquei minha amiga na casa dela e lá fomos nós pra campinas buscar uma outra amiga dela, nesse meio tempo, ele (Lucas), ligou pra Nathália pedindo uma carona (logo alí além de ter achado ele feio, pensei comigo: que cara folgado!) mas topei dar carona pra ele. Chegando no portão do prédio dele, ficamos uns 40 minutos esperando lá embaixo e nada dele aparecer, até que ele apareceu, de calça jeans escura, uma camisa cinza e de cabelo molhado ainda meio que se arrumando no meio do caminho já que tinha feito a gente esperar tanto tempo. Ele estava acompanhado com dois amigos que também aproveitaram a carona. Confesso que quando olhei nos olhos dele pela 1º vez me senti tonta, perdi o chão literalmente. "Meu Deus que lindo que ele é!" Toda aquela "feiura"da foto simplesmente não existia e eu fiquei feito uma tonta na frente dele sem reação, com vergonha, sem saber o que falar, como me comportar. Fiquei apaixonada por ele no mesmo instante que a gente se conheceu. Ele todo simpático, cheiroso e de um sorriso fácil e lindo logo veio me dizer oi e pedir desculpas pela demora, mas eu estava tão sem reação que só consegui dizer: "Sem problemas". Fomos pra tal festa e chegando lá ele simplesmente desapareceu. Sentamos todos em uma mesa e ele ainda estava perdido no meio da multidão, conversando com todo mundo, logo dava pra ver que ele era querido por todos ali. Eu me sentia um pouco deslocada, conhecendo gente nova e meio perdida mas quase todos foram muito receptivos comigo e eu disse "quase"por que a EX dele não foi NA-DA receptiva comigo (até parecia que sabia da minha pseudo paixão repentina por ele rs). A noite foi passando e logo ele veio falar comigo, perguntar mais de mim, o que eu fazia, o que eu gostava, se eu tinha namorado. Eu estava tão encantada por ele que mal respondi sim, não e mais ou menos. Eu comecei a perceber que ele estava de rolo com outras meninas ali e ja fui desanimando aos poucos. Comecei a arrumar desculpas pra ir embora mas não consegui convencer minha amiga a ir embora comigo. Ali eu fui ficando, suportando ele sorrir pra outras meninas que obviamente estavam caidinhas por ele (quem não ficaria caidinha por um sorriso daquele?). Já era mais ou menos 00:00 e eu decidi ir no banheiro, era a 1º vez que eu ia naquele bar então não conhecia muito bem o lugar, fiquei procurando o banheiro até que esbarrei com ele no meio do caminho e ele logo me perguntou onde eu estava indo: 
"Você não está indo embora não né?" 
"Não, estou procurando o banheiro, você sabe onde é?" 
E como num passe de mágica, ele se abaixou na minha direção, me pegou pela cintura e me deu um SU-PER BEIJO! Eu fiquei tão surpresa que até a vontade de ir no banheiro eu perdi rs. Fiquei confusa, tonta e GAMEI DE VEZ!
 "O banheiro é ali" 
"Ahh muito obrigada por me mostrar o caminho". 
Eu me lembro de entrar no banheiro tremendo, eu mal conseguia respirar de tão eufórica. "Ele me beijou!!!" "Ele me beijou mesmo!".



E pra sair do banheiro agora? E pra ir la falar com ele depois disso? Como eu ia olhar pra ele numa boa, roxa de vergonha do jeito que eu estava? "Será que alguém viu?" "Será que ele vai ficar com mais alguém além de mim hoje?". Resolvi sair do banheiro com uma cara de: Nada aconteceu e fui até  mesa onde ele estava conversando com agora nossos amigos em comum. Ele me olhou e me deu aquele sorriso que só ele sabia dar e me perguntou: 
"Você não vai embora agora não né?" 
E eu pensando: "Meu Deus, com um sorriso desses como eu vou embora?". Mas eu raciocinei e respondi: 
"Eu preciso ir, está tarde!". 
A Nathália chegou de canto e me disse: 
"E se todo mundo for lá pra casa?A gente pode fazer uma sessão cinema lá, jogar conversa fora, e assim vocês vão ter mais tempo pra conversar, pra se conhecerem e passar mais tempo juntos, o que você acha?" 
Eu logo me animei e topei. Liguei pra minha mãe e avisei que ia dormir na casa dela. A Nath começou a chamar o pessoal pra saber quem queria ir pra casa dela e logo ele respondeu: "Posso ir?" 
Eu fiquei de perna bamba, pensei comigo: "Ele quer ir por minha causa!". Chegando na cidade, paramos numa locadora e pegamos vários filmes bizarros de terror que provavelmente ninguém ia prestar atenção e várias besteiras pra comer enquanto jogávamos conversa fora. Eu ficava andando de um lado pro outro e rondando por perto, ele me atraía como um ímã. Eu queria ficar perto, conversar mais, mas parecia que tinha sido só aquilo mesmo, um beijo e nada mais.
Chegamos na casa da Nath, a mãe dela ficou super animada com a nossa presença, já tinha armado um acampamento na sala pra todo mundo ficar junto la. Quando ela viu ele, logo veio me perguntar o que eu tinha achado dele (a Nath tinha falado pra ela na noite passada que ele estava interessado em mim e que eu disse que achei ele feio e não me interessei), mas a minha cara de tonta estava tão evidente que ela e todo mundo logo percebeu que eu estava caidinha por ele. Eu fiquei meio sem jeito e respondi pra ela: 
"ah ele é legal"(por dentro eu estava pulando de alegria por ter ganhado um beijo dele.) Ficamos todos acordados a noite toda, assistimos dois filmes, comemos pipoca, demos muitas risadas e ele e eu nos tratamos como pessoas que tinham acabado de se conhecer e estavam só se divertindo com todos os outros. Logo a casa foi ficando silenciosa, um dormiu alí, outro lá e nós dois ficamos acordados, conversando, contando o que o outro gostava mais de fazer e o que queríamos fazer no futuro. 
"São 5:30, acho que precisamos dormir um pouco né, eu nem vi a hora passar, to morto." 
"Nossa, já? nem percebi que a hora já tinha passado assim tão rápido, vamos dormir, eu também to tonta de sono."(eu não estava com um pingo de sono, queria passar o resto da madrugada toda ouvindo ele falar, sorrir, contar sobre a vida dele.) 
Deitamos um do lado do outro e dormimos até as 8:30 da manhã. Todo mundo acordou, a mãe da Nath tinha feito café da manhã pra nós e ali ficamos, ele me deu um beijo no rosto e me fez carinho no cabelo:
"Bom dia" 
e eu respondi: 
"Bom dia". (aquele sorriso me matava!).

Continua...

Quer continuar lendo essa história? Então clica aqui >>> PARTE 2

Descobri a gravidez com 21 semanas

Oi gente tudo bem? Nossa, que saudade que eu estava de voltar aqui no meu cantinho e conversar com vocês. O post de hoje é muito interessante e é daqueles que a gente acha que só vai ver em filmes ou documentários do Discovery Channel rs. Há um tempo conheci a Bia do canal De repente mãe e me apaixonei pela história dela. Então hoje, a Bia é a convidada pra dar uma entrevista sobre como ela descobriu a gravidez dela. Acreditem ou não, mas ela descobriu com 21 semanas. Isso mesmo, 21 semanas! 
Beatriz Berbert do canal De repente mãe descobriu a gravidez 
com 21 semanas!
A Bia é carioca, estudante de engenharia, tem 23 anos e está a espera do seu 1º filho, o Gustavo. Ela começou o canal no youtube recentemente e a história dela é de impressionar qualquer um, afinal, não é todo dia que a gente conhece alguém que descobriu a gravidez tão avançada. E os sintomas? a menstruação? os movimentos do bebê? Quer saber mais sobre essa história? Então confere aí o que ela respondeu pra gente. 

Mamãe de Menininhos: Ter filhos estava nos seus planos? 
 Bia: Sim, sempre sonhei ser mãe. Sempre disse que queria ter quatro filhos e nunca escondi minha preferência por meninos, talvez por já ter muita mulher junta na minha família (rs). Mas meu ideal estava naquele tradicional: formar - casar - estabilizar financeiramente/na carreira - ter filhos. Mas acabei invertendo um pouco a ordem das coisas.

Mamãe de Menininhos: Você estava tomando anticoncepcional quando engravidou?
Bia: Sim. Tomava o mesmo anticoncepcional desde os 15 anos (quando ainda nem tinha relações, mas comecei a tomar para aliviar as minhas cólicas, que eram muito fortes). Sempre tive crises renais e infecções urinárias de recorrência devido à pedras e cristais nos rins, que volta e meia me causavam muita dor. Além da predisposição genética porque meus pais também têm os mesmos problemas. No início do ano, durante o Carnaval, tive uma infecção durante uma viagem. Voltei às pressas pra casa e iniciei o tratamento com meus antibióticos de rotina. Na época que engravidei (agosto de 2014), tive mais uma dessas infecções, só que mais forte, onde fiquei internada e precisei usar sonda pois não conseguia urinar, de tanta dor que sentia. Meus médicos sempre tiveram o cuidado de prescrever remédios que não interferissem/prejudicassem o efeito do anticoncepcional, e sempre me garantiram sua segurança. Mas como já era a segunda infecção em poucos meses, meu médico decidiu trocar os antibióticos para que fizessem efeito mais rápido, porque eu estava muito debilitada. E ele me recomendou que eu terminasse minha cartela de anticoncepcional (que ainda estava no início) normalmente (junto com os antibióticos), mas que depois parasse por uns dois ou três meses para que a menstruação viesse com fluxo normal para que o meu organismo "limpasse" e se livrasse de qualquer organismo estranho. Assim o fiz e depois voltei a tomar o meu anticoncepcional normalmente, no final de outubro (mas sempre me cuidando durante esse tempo sem anticoncepcional). A conclusão que chegamos foi que essa mudança para outros remédios cortou o efeito do anticoncepcional, porque fazendo as contas com o meu ginecologista hoje, não é possível eu ter engravidado após ter parado de tomar o meu remédio. A conta bate justamente na época em que estava tomando junto com os antibióticos.


Mamãe de Menininhos: Quais foram os sintomas que te fizeram desconfiar que poderia estar grávida?
Teste de Farmácia Negativo
Bia: Eu não tive os sintomas típicos de gravidez (enjoo, náusea, etc). Só tive muito sono, mas eu sempre fui muito sonolenta e dormia em pé se bobeasse, então nem eu nem ninguém jamais desconfiou disso, porque se eu tivesse um tempo livre, eu usava pra dormir mesmo. Quando foi no final de agosto que minha menstruação deveria vir, ela atrasou por duas/três semanas e eu fiz o teste de farmácia por conta própria, antes de ir ao médico. Fiz uns dois ou três testes em dias diferentes ao longo de uma semana e todos deram negativo. Mas como teste de farmácia não é lá tão confiável, decidi fazer o exame de sangue (BHCG) por conta própria também. Fiz o teste no dia 8 de setembro (pelos cálculos hoje, eu já estava com quase um mês de gravidez nessa data), e o teste também deu negativo. Tive certeza que não estava grávida, porque com o tempo de atraso que eu já tinha e fazendo um teste mais sensível e que pra mim seria "infalível", eu fiquei tranquila. Na mesma semana (numa sexta-feira) fui na minha ginecologista para saber o que havia de errado, pois tinha certeza que não estava grávida mas minha menstruação não tinha vindo. Ela ficou desconfiada e me passou um ultrassom transvaginal para ver o que havia de errado. E aí no final de semana logo após a consulta, minha menstruação veio e eu relaxei. Ela desceu depois de quase 3 semanas de atraso. Eu fiquei achando que tinha sido aquela bagunça no meu ciclo, já que havia cortado o anticoncepcional. Engavetei o pedido do exame e deixei pra lá, porque de fato "não estava grávida e não havia nada de errado". Acabei não voltando nela e nem fazendo o exame. E assim os meses se passaram (com minha menstruação descendo todo mês, e eu voltei a tomar meu anticoncepcional normalmente no final de outubro), até que em dezembro fui a uma festa de confraternização de final de ano do meu trabalho, bebi e comi muito (como sempre acontece nessa época de final de ano). Quando cheguei em casa, vomitei muito. Logo eu, que nunca fui de passar mal assim. Pra mim tinha sido uma intoxicação alimentar ou algo do tipo, mas minha mãe ficou desconfiada e voltou a insistir para que eu fizesse o ultrassom transvaginal. Enrolei até janeiro, quando finalmente fui fazer o exame. Foi quando descobri que estava grávida de 21 semanas, e o ultrassom transvaginal se transformou em ultrassom morfológico. Um susto.


Beta HCG negativo


O susto: 1º ultra-som com 21 semanas sem saber da gravidez!

Mamãe de Menininhos: Geralmente da pra sentir os bebês se movimentarem na barriga da mãe por volta das 14 semanas, você não sentiu nada? Como foi descobrir a gravidez com 21 semanas? e o tamanho da barriga?
Bia: Não senti absolutamente nada. Porque além de ter "certeza" que não estava grávida por causa da minha menstruação que vinha todo mês (então não desconfiava de nada, não prestava atenção e nem procurava nenhum sintoma), dizem que toda mãe de primeira viagem demora mais tempo para sentir o bebê mexer mesmo. Tanto que mesmo depois de saber da gravidez, só fui começar a sentir e identificar os movimentos dele alguns dias depois, não foi algo imediato.
Descobrir a gravidez tão avançada foi um susto. Até porque eu era uma das que achavam ser impossível a mulher não notar uma mudança tão grande literalmente dentro de si. Também deu medo porque muitos dos exames que são essenciais no início da gravidez (como o da translucência nucal, que tem data certa para ser realizado) eu não fiz, além de remédios que deveria estar tomando e não estava, sem contar com os hábitos que deveria ter cortado há muito tempo (como o vinho do final de semana e a continuação do anticoncepcional). Hoje eu vejo que acontece, que esses casos de mulheres que de repente dão à luz sem nem saber que estavam grávidas são reais, e que isso não se deve só ao fator "peso". Porque pensamos que isso só acontece com mulheres obesas e que não puderam "perceber" a gravidez. Eu não sou obesa e não percebi. Com certeza foi algo atípico, que foge do normal, porque a maioria das mulheres têm sintomas. Mas acontece mesmo. E a barriga foi outra questão. Eu não tive barriga nenhuma de grávida até de fato descobrir a gravidez. Na época estava na academia, malhava seis vezes por semana até duas vezes no mesmo dia e fazendo dieta, perdi 4kg. Tudo ao contrário. Perdi peso ao invés de ganhar. Mas também parece totalmente psicológico, porque assim que soube da gravidez, comecei a enxergar (e realmente ter) uma barriguinha que até então não existia, mas uma barriga bem tímida, que ainda demorou algumas semanas para de fato crescer e aparecer.

Mamãe de Menininhos: Em relação a saúde de vocês, depois de descobrir quais foram as estratégias pra garantir que estava tudo bem? E o bebê estava se desenvolvendo normalmente? 
Bia: Foi aquele desespero de correr atrás de todos os exames atrasados que ainda poderiam ser feitos e aquela correria contra o relógio, pra conseguir marcar médico, conseguir adiantar - na medida do possível - as datas dos exames para fazê-los logo, tentar pegar os resultados o mais rápido possível para dar um retorno pro médico, enfim, uma loucura. E todo mundo sabe como funcionam os planos de saúde e que mesmo pagando, as coisas demoram. Então foi muita dor de cabeça. Mas apesar de ter perdido o exame de sangue de rotina do primeiro trimestre e a translucência nucal (o que me deixou sim, preocupada), na morfológica pudemos ver que ele estava perfeitinho. O corpinho todo formado, sem nenhuma alteração ou anormalidade, a placenta direitinho, tudo certo. Ele estava num tamanho e peso adequados para a idade dele. 

Mamãe de Menininhos: Como está se sentindo agora que está tão perto da chegada dele? 
Bia: Agora eu (nós!) estamos numa ansiedade sem fim. Quanto mais perto vai ficando, mais longe parece. O tempo que antes passava tão rápido agora parece se arrastar. Fico num dilema danado, porque estou apaixonada pela minha barriga e pela relação que estabeleci com o Gu mesmo aqui dentro ainda. Canto pra ele, converso com ele, fico toda boba com cada movimento que ele faz, cada crise de soluço. Realmente tenho a sensação de que não ando sozinha e me sinto a mulher mais plena e realizada do mundo. Mas a outra metade não vê a hora de pegá-lo no colo, sentir o cheirinho dele, saber com quem que vai se parecer, de quem ele vai puxar o cabelo, o nariz, a cor dos olhos... e aquela vontade sem fim de ver aquele sorrisinho banguela. Não tô aguentando de curiosidade. Mas o bichinho parece ser preguiçoso igual à mãe, porque o meu médico disse que apesar de eu já estar com quase 38 semanas, ele ainda vai demorar umas três ou quatro semanas para querer se insinuar e dar o ar da graça (rs). Sei que é o tempo normal, quero que ele venha no tempo dele (ainda mais que quero muito tentar o parto normal), e sei que quanto mais tempo ele ficar aqui, melhor pra ele. Mas vai fazer uma mãe ansiosa pensar assim racionalmente o tempo todo rs!

38 semanas de gestação á doce espera pelo Gustavo

Mamãe de Menininhos: Qual conselho daria pras outras meninas que desconfiam de uma possível gravidez?
Bia: Ao primeiro sinal de desconfiança é válido recorrer aos métodos que já conhecemos (teste de farmácia, etc), mas NUNCA deixem de ir ao médico o mais rápido possível. E não confiem 100% nem no exame de sangue que, como eu disse, pra mim era infalível. Só o seu médico poderá de fato confirmar ou descartar uma gravidez. Até porque na dúvida, ele passará algum exame que não deixará dúvida alguma, como o caso do ultrassom transvaginal - se existir algum indício de gestação, por mais no início que esteja, o embrião já formado ou apenas o saco gestacional, ele vai mostrar. Então não confiem em testes caseiros e caso você tenha a menstruação irregular e note algum atraso além do comum, sabendo que há hipótese de uma gravidez, vá ao médico. Não perca tempo.

E ai? Gostou? Super história né? Quer conhecer mais sobre a Bia e acompanhar a gestação dela? Então acessa: 

Canal no Youtube: Youtube.com/derepentemae
Instagram:@beaberbert

E você tem uma história diferente assim pra contar? Manda pra mim, quem sabe ela não aparece aqui no blog!
mamaedemenininhos@hotmail.com!

Super beijo!

Tudo sobre as minhas gestações

Oi gente tudo bem? Tem um tempo já que eu postei uma foto lá no instagram  (@blogmamaedemenininhos) pedindo pra vocês deixarem perguntas sobre as minhas 2 gestações e vocês, claro que deixaram várias perguntas super legais e que eu amei responder. 
Depois de passar por duas gestações eu aprendi muito sobre muitas coisas, cresci demais como mãe, como mulher e como ser humano. Nesse video eu conto um pouco de como foi descobrir a gravidez, estar grávida pela 2º vez com um bebê pra cuidar. Frustrações, alegrias, aprendizados e descobertas. Quer saber o que eu respondi? Vem comigo.

Super Beijo. 









7 coisas

Oi gente tudo bem? O vídeo de hoje é uma TAG/DESAFIO/PERGUNTAS&RESPOSTAS rs super divertido. Quem me tagueou foi a Thalita Campedelli e eu adorei responder. O objetivo do vídeo é responder 7 coisas sobre várias "áreas"da sua vida digamos assim. Eu não li as perguntas antes então achei muito difícil pensar na hora mas mesmo assim me diverti muito. 
Vou deixar aqui as perguntinhas pra quem quiser responder também e no final do vídeo tagueei 7 meninas para fazerem também. 

Espero muito que vocês gostem. Super beijo!

Perguntas da TAG:

- 7 coisas pra fazer antes de morrer
- 7 coisas que eu mais falo
- 7 coisas que eu faço bem
- 7 coisas que eu não faço bem
- 7 coisas que me encantam
- 7 coisas que eu não gosto
- 7 indicações













Feriado Agitado|Parte 2| - Caçada aos ovos de páscoa

Oi gente, tudo bem? O video de hoje está no ar. A parte 2 do nosso feriadão super divertido. Agora tem a caçada aos ovos de páscoa, almoço de páscoa e até um jantar romantico. Ficou curioso? Então corre e vem ver. 

Super beijo!